Nosso último dia em Atenas começou com nosso café da manhã delicioso peinirli (queijo e presunto). Descemos em direção a Syntagma para ver a troca da guarda em homenagem a um soldado anônimo, representando quem lutou pela independência da Grécia.

Pãozinho com queijo e presunto delicioso!

Acontece uma cerimônia onde os guardas executam uma coreografia com uma roupa especial, cada peça remonta o uniforme do exército do século XIX. Há uma performance  aos domingos da troca de guarda, com banda e mais detalhes, porém só nos foi possível presenciar a troca simples, para descanso dos guardas.

Praça Syntagma e o palácio do governo grego

Uma curiosidade é que os homens devem ter o mínimo de 1,90m para se candidatar ao posto.

vejam a diferença de alturas rsrs

Em seguida visitamos o museu que existe dentro da estação de metrô da praça, há algumas peças expostas, uma linha do tempo de objetos encontrados nas escavações do metrô, bem interessante.

Nessa mesma região havia muitas lojas como H&M, Zara, lojas locais de moda e decoração e fomos dar uma olhada porque né vai que tem alguma coisa baratinha, não tinha. Não há muito pontos com wifi liberado em Atenas, nem no Mcdonalds que fomos ao banheiro havia.

Nesse momento nós fomos surpreendidos por uma manifestação bem grande. Ficamos com medo a princípio, pois sabemos que a Grécia vem enfrentando uma crise econômica grave e alguns bancos e lojas fecharam as portas. Tudo fluiu bem, era uma manifestação de pensionistas e não houve nenhum ato violento.

muitos idosos protestando em frente a praça

Seguimos para o último sítio que faltava ver na cidade, o local onde Aristóteles ensinava seus discípulos. O Liceu de Aristóteles já era utilizado anteriormente para prática de esportes pela população e quando o filósofo se instalou na cidade após a partida de Alexandre, o Grande para guerra.

Alugou o espaço para início de sua escola peripatética (gostar de caminhar debatendo). O sítio fica ao lado do museu Bizantino.

totens com informações, estão presentes em todos os sítios.

 

Bem pertinho da praça também ficava um restaurante antigo e famoso por ter o gyro e o souvlaki (churrasquinho estilo kafta com vegetais) e claro, tomar uma dose de uzo! O nome do restaurante é O Kosta e o preço é amigo, o gyro foi € 1,80, o uzo € 0,90 e o souvlaki custou €1,90. É bem cheio, como a lojinha é pequena a gente comeu ao lado de fora e fomos andando.

coitada, nem sabia que o Uzo ia descer queimando!

Você deve estar pensando “mas é o uzo Camila?”, então… Muito forte! Hahahaha Não consegui beber a dose toda. Fiquei até assustada, nunca havia bebido nada assim! Aconselho cautela.

De lá fomos para o estádio Panatenáico (onde a primeira olimpíada aconteceu) e não entramos, havia algumas excursões de escolas e turistas e acabamos desanimando. O tíquete de entrada dá direito a um audioguia. Acredito que o melhor horário para visitá-lo é ao entardecer, pois não há muitas partes cobertas.

Continuamos caminhando de volta as ruelas de Monastiraki, onde há uma infinidade de lojinhas de souvenir, bugigangas e afins que tanto amo! Me diverti demais e comprei as lembrancinhas para trazer, meu imã e chaveiro de todo lugar novo que vou!

Não se assuste, há uma tradição grega em que o pênis masculino dá sorte, o Phalus, então você verá bastantes artigos nesse formato rsrs.

Paramos para tomar um iogurte grego de verdade no Fresko! Que delícia! Ele é bem denso, cremoso e não tem nada de açúcar, você pode escolher uma fruta ou chocolate para acompanhar, provem que é mara! Custou €2,80!

 

Engraçado, me lembrando da viagem fica claro que por onde andávamos, víamos alguma coisa interessante sem querer.  Deparamo-nos com algumas igrejas bizantinas lindíssimas. E quase penetramos num batizado!

Havia um buffet na entrada da igreja com os familiares todos festejando, comendo e bebendo, foi  bem legal ver locais se divertindo em comunidade.

A comida parecia estar ótima!

 

 

Continuando, agora já em direção a nossa casa fomos para Filopappou a colina das musas, uma colina em frente à Acrópole, onde há um muro que não se sabe muito bem quando foi construído, uma vista maravilhosa da cidade (vemos até o mar lá de cima), a prisão onde Sócrates ficou, uma igreja bizantina construída com fragmentos do muro no caminho de Koile.

Prepare-se, é uma boa subida até o monumento que fica no topo do monte.  No caminho passamos por construções, oliveiras e pinheiros.

detalhes da subida

Na descida passamos em frente à igrejinha, bem peculiar e antiga, não era permitida a entrada. Chegamos então na prisão onde Sócrates ficou antes de cumprir sua pena, morte por ingestão de veneno.

igreja bizantina

cela onde Sócrates aguardou sua sentença

Por fim fomos visitar Kimoneia, duas tumbas feitas na rocha onde a lenda diz que foram sepultados o ganhador da olimpíada Kimon e Thucydides.

monumento no alto da colina

Voltamos para a casa, eu usei tênis quase todos os dias e mesmo assim tinha uma bolha no meu pé! Cansados e satisfeitos arrumamos a mala e dormimos, já que deveríamos estar às cinco da manhã no aeroporto para voltar.

vista de cima da colina, as casas branquinhas…

A Grécia foi para mim exatamente esse sentimento de pertencer a algo maior que vocês podem imaginar. Andar pelos mesmos locais que Sócrates, Aristóteles e tantos outros ícones que transformaram o mundo tanto tempo atrás e que não seria possível saber nada do que aconteceu se não fossem os monumentos e escritos preservados. Cada viagem que faço para locais assim, mais eu valorizo a história e como podemos aprender com o que já aconteceu.