Meu marido tinha alguns negócios numa empresa no Paraguai, foi assim que a oportunidade de conhecer a bela cidade de Foz do Iguaçu surgiu.

 

Em maio desse ano começamos a planejar e pesquisar sobre a cidade e sobre os arredores, lá em Foz é um dos locais do mundo com tríplice fronteira ( fronteira entre três países), então poderíamos ir a Argentina e ao Paraguai.

Fomos de carro!!!!!!

Sim, loucura total! As estradas saindo aqui de BH até lá possuem pedágio (gastamos em torno de R$ 400,00 só com pedágio) e em geral a qualidade da pista é boa.

Saindo de BH pegamos a MG 050, depois fomos até Ribeirão Preto pela BR 265, de lá BR 153 até próximo a Londrina onde pegamos a BR 376 até Campo Mourão, por fim entramos na BR 277 até Foz do Iguaçu. Foram mais de 20h de estrada, após passar pela cidade de São Paulo só se vê plantações rsrs

Muita cana, muito milho e soja, inclusive quase ficamos sem combustível!!!!! Devia ser umas 2 da manhã e nós não encontrávamos postos de combustível abertos… passamos um medo, mas conseguimos chegar numa parada (Graal) que possui posto 24h.

Enfim depois de chegar a casa que iriamos ficar: dormimos ! Sempre que viajamos nós optamos pelo Airbnb que é um serviço bem bacana de estadias, podemos ficar na casa das pessoas que moram na cidade; sala, quarto ou casa inteira.

Nesse caso achamos uma espécie de kitinet num bairro bem residencial e tranquilo, como estávamos de carro não tinha problema ser um pouquinho mais longe do centro (esse é o meu link www.airbnb.com.br/c/camilag34 para quem gostar da ideia e também for optar pelo AIRBNB, você ganha R$100 na primeira vez que usar e eu ganho R$50) :o).

Procure no Booking ou Trivago caso opte por hotéis, são mais garantidos.

Chegamos em Foz na quinta final da tarde mortos! Sexta de manhã fomos ao Paraguai resolver nossa questão de negócios para ficar com o restante dos dias livres.

Vista da Ponte da Amizade

Chegando próximo a ponte da amizade já se nota a diferença, é tudo meio bagunçado, cheio demais, com um trânsito bem intenso e um monte de gente te assediando querendo te indicar estacionamentos.

Nós ficamos em um nesse dia que não vou indicar, de forma geral no começo te falam que o preço da diária é R$30, mas se você “chorar” ele caí até uns R$18.

Atravessamos a ponte andando, se preferir pode-se usar mototáxis, ônibus e vans, não é muito longe, coisa de 10 minutos de caminhada por um espaço exclusivo para pedestres, não nos solicitaram documentos nem na ida nem na volta, de qualquer forma devemos estar com identidade atualizada, carteira de motorista ou passaporte.

vista da Ponte da Amizade

Como explicar o Paraguai? uma loucura!!!!!

Trânsito estilo Índia, camelôs na rua tampando o sol das calçadas, gente te oferendo meia, arminhas de choque, spinners e etc a todo momento.

Algumas lojas super luxuosas, estilo a Monalisa e o Shopping Paris: acredito ser umas das mais antigas de Ciudad de Leste, super luxuosa e com muitos seguranças, vende-se quase tudo, perfumes, óculos, roupas, jóias, eletrônicos e comidas de Duty free, não é das mais baratas então é sempre bom pesquisar antes de comprar qualquer coisa.

Também fomos na CellShop que segue a mesma linha da Monalisa mas vende principalmente eletrônicos e bebidas, uma seção enorme de bebidas de vários países e charutos (cubanos inclusive) e a Mega Eletrônicos que é mais voltada para tecnologia e está sempre cheia, a casa Nissei também nesse ramo.

Há na parte baixa da cidade, a direita de quem chega o shopping Paris e o shopping China, são um ao lado do outro, vendem artigos de luxo e marcas originais, chegamos lá muito cedo e algumas lojas ainda estavam fechadas as 8 da manhã hora local.

Há uma loja enorme apenas de video games e afins chamada Atacado Games e diversas lojas menores e  que se encontra produtos originais. Muitos shopping estilo a “Oiapoque” aqui de BH, a maioria não me passou credibilidade rsrs.

Chegamos cedo em Ciudad de Leste, lá eles estão a 1h a menos que nós, abrem as lojas as 7 da manhã e fecham as 16. Fizemos o câmbio nas casas paraguaias mesmo, o preço era mais em conta e também não pagamos IOF.

Comemos duas comidas típicas paraguaias; o Bori Bori(caldinho ou sopinha de carne com um tipo de milho) e a Chipa (torta de milho verde com queijo bem boa), além de tomarmos umas Fantas que só tinha lá. Atualizando, agora a Fanta guaraná já é vendida aqui, a de tangerina ainda não.

Estava gostoso mesmo rsrsrs

 

Voltamos pra casa no fim do dia, cansados, mortos, só passamos no mercado e ficamos em casa. Em breve conto como foi o restante da viagem!

 

Beijos, até a próxima!