“De onde vocês tiraram ir pra Seul, na Coréia do Sul?”. Uma das frases que mais ouvimos desde que compramos as passagens promocionais.

Melhor descrição da cidade de Seul

Na verdade, viajar para a Coréia não estava em nossos bucket lists; aconteceu de nós estarmos entediados em casa, procurando passagens para os EUA e aparecer a promoção da Qatar na Melhores Destinos.

Seguimos a página Melhores Destinos desde nossa ida a Europa em 2013, quando compramos nossa passagem por R$800. Quando apareceu a promoção de passagens por R$ 1503,60 para o outro lado do mundo, na verdade mesmo não comprando na hora que vimos à promoção, compramos por impulso e depois tínhamos que aproveitar né?

Começamos a preparação para Seul vendo muito material no youtube e em outros blogs de viagem e havia pouca informação em português, acabamos conseguindo mais detalhes em inglês. Graças a mim, agora você terá dicas, roteiros e detalhes em português!

ta rasgadinha, mas salvou nossas horas no Ezeiza

Para começar, nosso voo era um pouco diferente: o primeiro voo saía de Florianópolis e parava em Buenos Aires! Não faz muito sentido, mas tudo bem! Ficamos umas 6 horas no Ezeiza aguardando nosso voo para Doha, no Qatar.

lanchinho na Starbucks

A parte mais louca da escala era que de Buenos Aires para Doha, o avião faria uma parada em Guarulhos (!) e nós não poderíamos descer do avião. Ficamos dentro do avião enquanto a equipe de manutenção limpava banheiros, corredores e demais cadeiras para que novos passageiros entrassem.

Por que nos fizeram ir para Buenos Aires pra voltar pra São Paulo, não sei… (19 horas de voo desde Florianópolis até Doha).

kit dado pela Qatar, nunca uso mascara nem o tampão

O voo foi tranquilo, apesar das longas 14 horas de voo de São Paulo a Doha. Nossa sorte? Ninguém na cadeira do corredor, então nós podemos nos esticar e levantar a vontade.

Sempre tem uns passageiros sem noção e eu tinha tomado remédio para dormir, estava meio grogue e o cara em pé, conversando altíssimo com outros passageiros e ficava se apoiando na minha poltrona. Eu olhava pra trás e ele nem desconfiava que estivesse sendo inconveniente, até Marcotulio acordar e falar com ele para parar de balançar a poltrona; ele parou, consegui dormir até o café da manhã e chegada em Doha.

olá Doha!

O Aeroporto Hamad do Qatar é lindíssimo! Muito luxuoso espaçoso e com muitas lojas de marcas internacionais, lojas de souvenires e muitas joalherias (muito ouro mesmo). Ficamos apenas 2 horas lá até pegarmos nosso próximo voo até Seul. Mais 8 horas de viagem e mais uma vez demos sorte de não ir ninguém na cadeira do corredor, na verdade o avião estava meio vazio.

já viram Tang de lata? rsrs

 

Meus pés sempre incham em voos longos ou ficar muito tempo no carro e mesmo ficando sem o sapato dentro do avião, dessa vez não foi diferente.  No voo para Seul meus pés já não cabiam mais no tênis, doía na parte de cima e mesmo andando bem dentro do aeroporto de Doha, chegando a Seul tive que andar sem amarrar os cadarços.

Tchau Qatar…

Chegando à imigração em Seul já dei meu primeiro fora, a comissária me deu um formulário para preencher e disse que era um por família (como nos EUA). Só que não! Quando o oficial chamou, fomos juntos, meu marido e eu e adivinha: era uma pessoa de cada vez.

Saí da fila e preenchi o formulário, passei novamente e a oficial que me atendeu teve um problema no sistema sei lá,  a máquina não lia meu passaporte! Gente… Mesmo sabendo que eu era eu, meu passaporte era o mesmo de outras viagens fiquei super apreensiva. Pra piorar, o inglês dela era o mais básico possível e eu nem tentei questionar o que acontecia, vai que eu falava algo que ela achasse suspeito? Do outro lado da imigração, meu marido viu o computador dela reiniciando e no final de alguns minutos ela me liberou. Pareceu um dia inteiro!

Bem vindo à Coréia!

Outra abordagem diferente do que já estava acostumada, um funcionário do aeroporto ficava parando os passageiros e medindo as temperaturas antes de nos liberarem para entrar! No formulário você precisa informar se teve algum sintoma como, febre e dor de cabeça, eles devem checar se realmente você não tem sintomas de gripe ou algo assim, ou seja, preparados para evitar uma pandemia.

Saindo da área de desembarque nós começamos a busca pelo chip com internet e cartão de transporte publico. Há varias opções de internet móvel, chip de dados e mini receptor de wifi, optamos pelo Everygreen simcard, era mais barato, porém eles haviam fechado o quiosque de vendas no desembarque e teríamos que ir ao terminal de metro em frente do aeroporto para comprar.

câmbio e cartões transporte bem na saída do aeroporto

Então, compramos primeiro won ( saímos daqui apenas com dólar) e depois compramos o cartão para o transporte público T-money. Escolhemos o Amazing Pay, ele dava desconto no ônibus que saia do aeroporto, custou 50 mil won (4 mil pelo cartão e 46 mil de crédito) para cada. Pus meu cartão no bolso da calça e atravessamos até o metro.

Chegando ao saguão do metro não havia o chip dessa operadora em estoque e nós precisávamos de internet para sair de lá, tivemos que procurar outros. Percebi que não havia nada no meu bolso.

Perdi meu cartão de 50 mil won!!!

cansada e tendo que comprar outro cartão de 50 mil won!

Nossa… Fiquei muito triste. Voltei para ver se achava pelo chão, mas quem o encontrou, na verdade, nem tinha como saber de quem era para devolver. Era me resignar, gastar mais 50 mil won e pensar em qual passeio iria deixar de ir. Acabamos comprando um chip da KT para 10 dias (as opções eram  5, 10 ou 20 dias internet ilimitada), saiu mais caro que o outro, 34 mil won. Ah, alguns táxis também aceitam o T-money.

O “limousine bus” que nos deixaria mais próximos ao nosso Airbnb custava 10 mil won, porém com o cartão que compramos a passagem ficava 9 mil won. Esse ônibus é como o Conexão aqui de BH, ônibus de viagem que deixa os passageiros do aeroporto em alguns locais na cidade, só que com bem mais opções e paradas. Você também pode pegar metro, como disse acima é só atravessar o estacionamento.

já chegamos com esse portão maravilhoso!

Descemos na estação Anguk e da lá andamos cerca de 10 minutos até chegar à casa. No caminho uma paradinha no seven eleven (rede de lojas de conveniência dos Estados Unidos que possui mais lojas em Seul que na própria terra natal rsrs) para comprar algo para comer e café da manhã.

Algumas lojas aceitam o T-money como se fosse um cartão de crédito, seven eleven, CU, GS25 e algumas lojinhas de produtos de beleza, por exemplo, a Etude House. Eu achei fantástico e prático poder pagar tudo com um cartão só.

CVS for U é uma das lojinhas de conveniência que aceitam T-money

Chegamos na casa e foi aquele clássico: banho e cama. Era muito bom ficar na horizontal depois de tanto tempo em avião e aeroporto!

O melhor jeito de não ter jetleg (alteração no relógio biológico devido a diferenças de fuso horários que pode causar até depressão) é dormir no avião e tentar dormir no horário do local onde você está,  tomar um melatonina ou algo semelhante para ajustar o horário ajuda, dessa vez estávamos tão cansados que nem precisou.

Já pegou um voo longo assim? Já viajou com algum passageiro que deveria ter sido despachado? Hahaha me conta aqui nos comentários.

Eu consegui dar um jeito nos pés inchados na volta, conto pra vocês nos próximos posts.

Até logo!