A Cidade do México foi um bônus na nossa viagem para USA, teríamos muito tempo aguardando a escala lá e resolvemos conhecer a cidade e dormir num hotel próximo ao aeroporto.

Iriámos aos Estados Unidos da América, porém nosso voo faria uma escala na Cidade do México. Esperaríamos 11 horas na cidade e decidimos que precisaríamos deitar durante esse período, quase dois dias de viagem.

Vista do Avião ao chegar na cidade.

Preparem-se desde dentro do avião, a comissária deverá te entregar um formulário e você deverá preencher com seus dados, um por pessoa. Descendo do avião e indo para imigração tomamos um susto. Lotado!

Brasileiros não precisam de visto para o México, aqui você pode encontrar mais informações.

Havia lido num grupo que participo que era bem confusa a imigração no México, mas me surpreendi. Acredito termos ficado pelo menos 3 horas para ser atendidos e liberados, o processo em si não demora.

Reservamos um hotel próximo ao terminal 1 (nós desembarcaríamos no 2). “Hotel” porque o lugar era bem ruim e nem tão barato assim (U$$ 40,00 a noite). Não havia Airbnb próximo então foi esse mesmo.

monumento na area de embarque do aeroporto

O hotel era numa espécie de estacionamento, sei lá, parecia improvisado. O quarto era num tamanho bom para uma noite, tinha TV e a cama era até razoável, se bem que naquela hora eu dormiria até no chão. O banheiro estava sujo, não foi lavado entre um hóspede e outro (eca).

A parte boa, além de ficar na horizontal após passar muito tempo sentada, era conhecer um pouquinho da Cidade do México. E foi uma surpresa bem agradável, mesmo que durante a  noite, nos encantamos.

Usamos uber normalmente na cidade. Aeroporto para o hotel, hotel para o centro histórico e a volta. Inclusive o preço da viagem é bem barato, compensa. Uma viagem do aeroporto ao centro histórico ficou em R$15,00, era longe e horário de pico.

O centro histórico da cidade fica próximo ao centro da cidade, é marcado pela arquitetura lindíssima e preservada em torno da Praça da Constituição (Zócalo), onde há a maior bandeira de país que já vi na vida!

Ao entorno da praça ficam o palácio do Governo, que possui um museu aberto ao público, a Catedral Metropolitana e o Templo Mayor e vários restaurantes e bares.

 

A Catedral Metropolitana é uma das igrejas católicas mais antigas das Américas, alguns historiadores afirmam que foi construída em cima de construções astecas. Ao lado dela há um sítio arqueológico asteca, o Templo Mayor, o que torna mais provável essa tese.

Como fomos à noite não pudemos entrar nem observar todos os belos detalhes, mas nos impressionou. As construções ao redor da praça estavam todas ilumindas e nos pareceu bem seguro andar por ali.

Tabernáculo – fica ao lado da Igreja

Curiosidade sobre a igreja, nos anos 2000 durante uma restauração foi encontrada uma cápsula do tempo, deixada por um arquiteto no século 18 com algumas moedas e um pergaminho.

Andando pelas ruas próximas, decidimos comer num restaurantes de tacos! O nome do lugar é Tacos de Canasta, dizem ser a receita original e são bem gostosos! Eles são diferentes do tex-mex que comemos nos USA, são de milho, parecem cozidos a vapor (não soube perguntar) e o recheio era de carnitas ou carne assada.

Há balcões de metal nas paredes com banquetas, alguns locais com molhos e o que achamos ser guacamole era na verdade jalapeño com tomatilhos (tomates verdes).

Achei bem gostoso!

Se eu achei gostoso? Sim e muito! Apimentado? Um pouco apimentado, mas os molhos eram bem caprichados na ardência, use com moderação.

Tomamos um refrizinho local chamado Mundet, estranho, porém gostoso. Difícil de explicar. Parecia algo de cereja, não sei.

Passeamos um pouco pelas ruas, há varias lojas de marcas famosas, Zara, H&M, Prada e também lojas locais. Andamos até o Palácio de Belas Artes, que é maravilhoso!

Voltamos para próximo a Praça Zócalo para pedir nosso uber e para isso usamos a internet da Starbucks rsrs

Voltamos e dormimos um pouco, ajudou demais poder deitar e tomar um banho.

Para o embarque a imigração foi mais tranquila, eles recolhem uma parte do formulário e pronto.

Não havia bebedouros no aeroporto, pelo menos na parte internacional. O local mais barato para comprar agua foi um Seven Elven (7eleven).

Na área de embarque havia a exposição das obras do artista plástico Rodrigo de la Sierra

Compramos umas besteirinhas do lado do embarque, pois eram mais baratos. Inclusive acredito que todo aeroporto seja assim.

Bala de tamarindo COM PIMENTA!

Adorei o pouquinho que pude ver da cidade, foi minha primeira vez num lay over e achei bem produtivo. Muito melhor do que ter ficado dentro do aeroporto.

Esqueça tudo que te ensinaram sobre brincar com a comida! Balinha Lego.

 

Uma curiosidade a parte é que a cidade foi construída em cima de um lago desde a época asteca e cada ano afunda alguns centímetro.

Mais uma das obras de Rodrigo de la Sierra

Estava parecendo o inverno brasileiro lá, não muito frio e vento. Deu pra andar com casacos leves sem nos incomodar com a temperatura.

Nós teríamos muitas horas disponíveis, acredito que menos de 6 de espera não compense sair para conhecer a cidade. Leve em consideração a burocracia, trânsito que pode estar ruim e algum imprevisto mínimo e você pode perder seu voo.

Já passou muito tempo no aeroporto ou fez como eu e decidiu deitar num hotel?

Me conta!