No final de 2017 por termos comprado passagens promocionais para Seul, tivemos que pegar o voo em Florianópolis. Aproveitamos e passeamos um pouco pela cidade. Conhecemos Joaquina, Lagoa da Conceição e Jurerê Internacional.

Florianópolis é uma ilha muito interessante, cheia de verde e natureza e gente muito simpática.

Um amigo aqui de BH se mudou para lá e nós iríamos ficar um dia na casa dele antes de ir para Coréia.

A casa dele fica no bairro Barra da Lagoa, onde há um canal na praia de mesmo nome por onde a água da lagoa da Conceição é renovada.

na entrada do canal da lagoa há esse pequeno farol

A praia Barra da Lagoa é muito bonita, possui uma parte bem natureza, sem construções e outra com bares e mesas na areia, agrada todos os gostos. A água é fria, não tanto como Cabo Frio, mas fria e o tempo não ajudava muito, estava nublado.

amiguinho…

Não aconselho comer nas barracas da praia, o preço é muito mais alto e fomos bem mal atendidos. O garçom não trouxe os talheres e sumiu, comemos a porção com as mãos.

Perto da entrada da praia fica uma estação de recuperação e visitação do projeto Tamar, a entrada é 15 reais inteira e 7,5 meia. É possível observar os animais em recuperação, vê-los se alimentando e um pequeno museu sobre a vida marinha. Na saída há uma lojinha com lembranças e souvenires.

Você pode chegar os horários aqui.

Esse dia ficamos em casa a noite, embarcávamos cedo no dia seguinte para Seul.

Na volta para o Brasil ainda teríamos uns dias na cidade, porém o tempo não estava para praia e acabamos indo ao shopping Beira Mar. Ele fica bem próximo à avenida de mesmo nome no centro de floripa.

você pode fazer o tour 360 no shopping antes de visitá-lo.

Próximo ao bairro fica a Av das Rendeiras, lá encontramos várias opções de restaurantes, hostels e pousadas, stand-up padle e ela leva ao bairro Lagoa da Conceição onde há muitas opções de comércio, bancos e ônibus.

Andamos,comemos e voltamos dessa para nosso airbnb no bairro Canto dos Araçás. Que lugar bacana! Bairro tranquilo, a casa ficava no meio da mata e dentro da propriedade tinha até cachoeira.

A única coisa que não aconselho e ficar nessa região sem carro. Onde ficamos na verdade, era uma rua criada pelos moradores e uber e taxi não achava. Marcávamos o caminho na rua principal e precisávamos descer até lá. Nessa rua principal era possível usar o transporte público, mas infelizmente não havia muitos horários (40 em  40 min).

Também era possível pegar um barquinho e atravessar a lagoa, não pegamos, para turistas o custo era de 10 reais e para moradores 3,50.

Descemos para a Barra da Lagoa e andamos um pouco por lá, vimos a feirinha de artesanato que acontece todos os dias no verão e passeamos um pouco pela orla.

Nós comemos a famosa “sequência de camarão” no Nosso Bar na Av das Rendeiras e adoramos! Pedimos a porção individual, custou 69 reais e foi mais que suficiente para nós dois (ainda levamos uma marmitinha pra casa). Recomendo se você for a Florianópolis.

camarão emapanados, camarão alho e óleo, salada de batata e ainda peixe frito com molho de camarão e um bolinho de siri.

Demos mais uma volta pela avenida e voltamos para casa.

Dia seguinte o sol apareceu. Bora pra praia!

A primeira praia do dia foi a Joaquina, ela ficava próxima a região e nela que iriamos fazer sandboard ou skibunda!

O local com as pranchas e as dunas é um pouco antes da praia e de lá chegamos à praia em 5 minutos andando. Importante: devemos passar parafina (um pedaço de vela) na prancha na parte em contato com a areia para descer melhor.

Nos cobraram 20 reais pelo aluguel da prancha, e aí e por as pernas para trabalhar! Fiquei tanto tempo sem ir à praia que tinha esquecido que andar na areia cansa.

Toda animação possível, subimos um pouco a duna até a parte mais alta, bem empolgados. Descemos e que divertido! Nossa, recomendo muito que você desça também, só prepara as pernas, pois a subida não é legal!

Parece ser fácil… até voce chegar lá embaixo e olhar pra cima hahaha

Gente, sério… Quase morri! A prancha é pesada, a areia é fofa e sinceramente não tô bem preparada fisicamente para hahaha! Descemos três vezes e já cansamos.

A Praia da Joaquia tem seu nome sugerido em duas lendas locais. A primeira conta que Joaquina era uma senhora rendeira que alimentava os pescadores e um dia foi levada pela ondas.

A outra, Joaquina perdera o marido que não retornou da pescaria no mar e desde então ela atravessava o areal (dunas onde fazemos o sandboard que chegam até a Lagoa da Conceição) para olhar o mar buscando o marido.

Fomos para praia e nossa… Que delicia! A Joaquina é linda!

Há varias lojinhas com roupas, cangas, bijus e etc na entrada da praia. Na faixa de areia havia também restaurantes o que foi bom, não havíamos levado guarda-sol .

Entrei um pouco no mar, que estava frio e com pequenas águas-vivas, me sequei bem e fomos de volta a renderias almoçar.

Almoço fail total; não recomendo o restaurante Retiro da Lagoa. Eles fazem propaganda no aeroporto, mas a comida é muito ruim. Dizem ter self-service liberado com frutos do mar, porém não deveriam, a comida é ruim, não tem frutos do mar (camarões tao pequenos cozidos numa água estranha e umas ostras suspeitas) e filé de peixe congelado empanado e frito. Muito ruim.

Pedimos um uber (acabava ficando mais em conta para duas pessoas) e fomos para Jurerê. Marido disse que se não fosse lá iriamos ficar querendo voltar depois, por ser a praia mais famosa.

Jurerê Internacional é uma espécie de condomínio com casas, apartamentos e lojas de frente para a praia. A entrada é liberada, qualquer pessoa pode visitar e há transporte público atendendo na ruas principais.

A maré parecia estar alta, pois a faixa de areia estava bem pequena. A água estava deliciosa! Bem diferente da Joaquina, havia muitos vendedores ambulantes e claro, muitas boates e restaurantes de frente para praia.

há uma área de preservação na praia em Jurerê

Gostei bastante, saímos da praia e passeamos pelas lojinhas do condomínio e voltamos para casa antes do horário de trânsito maior.

Se você for ficar na região da Barra da Lagoa é importante saber que o único caminho para entrar e sair é a Serra das Sete Curvas, que só tem uma pista para descer e uma para subir. Nos horários de tráfego mais intenso, você pode ficar um bom tempo preso no trajeto.

Chegamos a casa e arrumamos nossa mala para voltar pra casa finalmente.

Fiquei meio triste com a chuva dos dias anteriores, mas no final deu tudo certo!

Ambas as praias que fui havia estacionamentos pagos e caso queira usar uber e 99pop é mais fácil e barato se estiver nas regiões mais centrais. O mesmo para ônibus.

Na hora de voltar para BH chegamos ao aeroporto na hora do almoço e a dica é para comer no restaurantes fora do aeroporto, eu fiquei com as mala e o marido buscou marmitas. Comida gostosa e pela metade do preço.

Florianópolis é muito bonita, cheia de natureza e acredito que durante a alta temporada a cidade fique bem cheia. Aconselho a escolher sua acomodação de acordo com o meio de transporte que irá utilizar na cidade.

Já foi pra praia e pegou só chuva?

Me conta se sua viagem já teve um fail assim.