Catedral da Sé com sua mistura de estilos e o Bairro Alto com um charme inegualavél nos deram a primeira impressão de Lisboa. Amor à primeira vista.

Saímos do Brasil num voo da TAP, o voo sai de Guarulhos as 17h e como saímos de BH bem cedo ficamos umas boas horas pelo aeroporto.

Dica esperta: Caso sua escala seja muito longa ou você esteja no GRU durante as 11:30 e às 14:00 e não queria gastar uma fortuna almoçando ou comendo uma besteira qualquer, vá até o terminal 3 e vá até a área de embarque no último andar.

Na saída próxima ao Starbucks (do lado de fora) ficam alguns entregadores com marmitex! Na saída próxima ao Starbucks (do lado de fora) ficam alguns entregadores com marmitex!

Sim, algumas opções já prontas e você também pode pedir e rapidinho eles trazem. Custou 11 reais a de peito de frango e 13 a de lombo de porco.

Almoçados e cansados fomos despachar as malas.

Agora com as cobranças de bagagem as cias estão pesando a bagagem de mão também, para o caso do voo saindo do Brasil o limite era 10kg e o da bagagem despachada 23Kg.

Habilidade bem vinda atualmente…

O voo em si foi tranquilo, as opções de comida eram carne ensopada com legumes e frango (como não pedimos o frango, não sei como era rsrs). Estava gostoso.

Chegamos em Lisboa muito cedo, eram umas 4 e meia da manhã. E como o check in da nossa hospedagem eram as 14h ficamos meios presos, malas pesadas ainda tava escuro aff… esperamos clarear o dia e fomos a um guarda volumes no Bairro Alto.

Pegamos o metrô que fica bem ao lado do aeroporto, ganhamos uns bilhetes de duas turistas que estavam indo embora rsrs. Colocamos mais crédito nas máquinas, bem facinho. Em geral o preço do bilhete é 1,45 euros e serve para ônibus, metrô, trem e bonde.

Primeiro problema, o elavador de uma das estações que precisávamos trocar de linha não estava funcionando. Marido teve que subir as escadas carregando as malas grandes, a mala era metada do meu peso rsrs não tinha condições.

Segundo problema, as calçadas são de pedras portuguesas, nada legais de puxar as malas e o terceiro claro são as ladeiras! Nosssssssaaaaaaaaaa!

Pesquisamos um guarda volumes para aproveitarmos a cidade antes de ir para nosso Guest House, porém no aeroporto encontramos um folheto de um local tão próximo da estação de metrô quanto dos pontos que queríamos visitar.

O guarda volumes cobrou 4 euros pela pequena e 5 euros pela grande.
Eu perdi o folheto deles e não lembro o nome, mas era na rua anterior da Manteigaria. Andamos por ali, tudo tão bonito, com certo ar familiar do início do séc. 19, eu até esqueci o cansaço e fomos passear.

Ali na região tem dois locais gastronômicos recomendados, a Manteigaria que é famosa pelo pastel de nata (aka pastel de Belém) e o café A Brasileira. Há lojas famosas outras locais fofas e dá pra perder umas boas horas por lá.

Olá Papai Noel!

O pastel da Manteigaria custa 1 euro e é gostoso, mas eu imploro que você vá a loja do Pasteis de Belém. Depois dou mais detalhes sobre.

Comemos um bolinho de bacalhau recheado com queijo da Serra da Estrela (ou pastel de bacalhau como os locais chamam), delicioso e quentinho, o queijo derretia. Não deixem de provar, fica na mesma rua da Manteigaria.

Descemos até a orla do rio Tejo e andamos por ali até chegar na Praça do Comércio. Enorme e linda, com decorações de natal e uma árvore enorme que durante a noite se iluminava.

Há um monumento em homenagem ao Marquês que entre outros feitos, reconstruiu parte da cidade após um terremoto em 1755. Há um arco na entra da rua Augusta, uma das mais famosas da cidade. Lindíssima e super movimentada.

A rua Augusta é um ponto turístico importante da cidade, com restaurantes, lojas e ambulantes também há alguns artistas se apresentando. Subimos a rua, porém no período da tarde para a noite que o movimento começa, então fomos a outro ponto.

Subimos alguns ruas para conhecer a Catedral da Sé, a mais antiga da cidade.

Construída nos moldes romanos, possui vitrais e colunas e impressiona pela oponência no inteior e pelo estilo românico, gótico e barroco do altar.

Ela fica no Largo da Sé (rua Augusto Rosa e Cruzes da Sé).

E de lá voltamos para o Bairro Alto e pagamos nossas malas para ir para o guest house. Há algum tempo só escolhia hospedagem no Airbnb, mas dessa vez o Booking foi mais em conta.

Estávamos com malas pesadas, pois ainda iríamos para Londres, considerando que Lisboa tem muitos morros e alguns locais há escadas para ligar as ruas quando a subida é mais íngreme, atente-se na hora da sua escolha. Valeria a pena ter ido de uber ou transfer.

Onde ficamos, no Estrela Charming Rooms localização era boa, ônibus e trem perto e não era central, porém subir duas ruas e uma escada com pelo menos 4 lances com malas pesadas não foi o mais legal.

Desde a árvore lá em baixo (onde ficam as escadas) até aqui com as malas rsrs

Depois que chegamos no hotel estávamos tão cansados que só queríamos descansar. E passamos o resto da tarde e noite assim, deitados descansando. O Estrela Charming Rooms foi um ótimo local, tinha cozinha com todos os utensílios, dois banheiros e o quarto tinha sacada.

Além de ter ficado muitas horas esperando no aeroporto, depois muitas horas de avião e mais algumas horas passeando até o horário do check in, consumimos toda a energia que tínhamos.

Nós até tentamos adiantar o check in (era cobrada uma taxa para que pudéssemos entrar as 8 horas da manhã), porém não havia disponibilidade.

Da próxima vez que nosso voo chegar tão cedo assim e não formos alugar carro, iremos fazer a reserva para o dia anterior.

De qualquer forma a primeira impressão de Lisboa foi ótima! Só comidas gostosas e lugares bonitos. Mesmo com o cansaço eu andava pelas ruas encantada com os prédios, com os cheiros que vinham dos restaurantes e do ar da cidade, estava frio, mas aquele friozinho bom rsrs.

O que mais Lisboa nos reserva?

Em breve mais relatos dessa cidade linda.