Uma das coisas que vimos em vários canais no youtube eram os cafés temáticos, Hello Kitty, gatos, cães, guaxinim e as fofas ovelhas! Nesse dia ficamos nos protegendo da chuva com as ovelhas e visitamos o palácio Gyeongbokgung.

Você pode conferir o vlog desse dia no meu canal do no Youtube!

A previsão era de chuva e o tempo estava mesmo fechado, mas tínhamos nossos palácios e locais históricos para visitar.

Museu do Folclore

Estávamos próximos ao Museu Nacional do Folclore da Coréia, começamos nosso dia nele, a entrada é gratuita e vale a visita. Há uma coletânea bem explicativa da cultura e tradições coreana, arte e até uma vila recriada ao ar livre com várias fases da cultura coreana. A entrada é gratuita e ele funciona todos os dias e possui horários diferentes de encerramento das visitações durante o ano.

gente, que é essa escultura? hahahahaha

É bem comum ao visitarmos os pontos históricos mais importantes, observar alguns turistas com as roupas típicas coreanas e até há serviços de fotógrafos profissionais para registar os momentos, em média custa 10 mil won por uma hora do aluguel da roupa.

Do museu há uma entrada para o palácio Gyeongbokgung, a melhor opção para nós foi comprar o passe que dava direito a entrar em quatro palácios e no secret Garden por 10 mil won.

No inicio há a representação de casas de pessoas comuns da comunidade e artefatos como moinhos e sapatos antigos. À medida que andamos, o tempo passa e as casas vão se alterando até a década de 70.

O desenvolvimento da nação coreano começou há 2000 AEC onde hoje está localizada  Pyongyang e Manchúria, passou por invasões chinesas, mongóis e japonesas tendo o seu período de maior desenvolvimento e prosperidade a partir do século XIV durante a dinastia Joseon, quando foi criado o alfabeto e língua coreana o hangeul .

Réplica de construção coreana no museu do folclore

Em Seul há um museu, ao lado do museu nacional, dedicado ao alfabeto. Nós não conseguimos visitá-lo, mas você pode incluí-lo no seu roteiro clicando aqui para informações. Na parte interna do museu ficam expostos cerâmicas, pinturas, ferramentas e manequins contando o dia a dia do povo coreano.

O Palácio Gyeongbokgung é sem dúvidas, um dos locais mais importantes para visitar estando na cidade.

Estrutura de madeira colorida em verde e vermelho e chão de pedra

Dentro do prédio principal fica a sala do trono, linda, cheia de detalhes em ouro. Na verdade dentro no castelo está uma réplica do trono, este pode ser visto no museu Nacional da Coréia.

O Palácio Gyeongbokgung segue o padrão das construções nas cores, formas e construção, com pátio amplo, portões imponentes e calçamento de pedra.

Foi construído, destruído e reconstruído e faz parte dos cinco grandes palácios da Dinastia Joseon.

A natureza dá um show à parte com árvores maravilhosa, cheia de cores lindas e bem diferentes.

 

Saindo de Gyeongbokgung, pela entrada principal, há o Portão Gwanghwamun, no mesmo estilo arquitetônico das construções do palácio e também acontece uma cerimônia de troca de guardas.

Os guardas realizam uma cerimonia mais simples que do portão Daehanmun.

A estátua em homenagem ao Rei Sejong está cituada na praça Gwanghawmun, uma das principais da cidade. O criador do hangeul (escrita coreana) e diversos avanços tecnológicos como relógios e o primeiro pluviômetro, é considerado um dos mais importantes reis da história coreana.

Nesse dia acontecia uma feira popular com comidas típicas e artesanato.

ha cursos para os artistas fazerem esses “pratos”. Ficam expostos em alguns restaurantes.

Um pouco a frente (nós descemos a avenida “ao contrário”) está a estátua do general Yi Sun-Shin que inovou a marinha com o barco tartaruga, barco fechado na parte superior com placas de ferro e canhões nas laterais, levando a vitória contra os japonês em uma das tentativas de invasão.

Ambos são contemporâneos ( rei Sejong e Yi Sun-Shin) e contribuíram para uma época de grande desenvolvimento coreano.

Pelas fotos dá para perceber que a chuva estava chegando e nós decidimos ir para o bairro universitário de Hongdae, procurávamos um restaurante e o google dessa vez falhou. O local estava fechado e começava a chover, decidimos desistir de almoçar às 15h, depois de muito procurar e fomos ao café de ovelhas!

Porta do Thanks Nature Café

Isso mesmo, na Coréia é comum os cafés  possuírem animais, alguns são com cães e gatos e neste eram ovelhas! Honey e Sugar, fofas demais! Não tive maturidade!

O Thanks Nature Café fica na parte de baixo de uma galeria, você já vê as fofinhas antes de entrar (elas ficam ao lado, na parte de fora do café).

 

Após consumir um café, chocolate ou comer algo você pode sair e ir brincar com as ovelhinhas. Foi bem divertido, apesar de elas estarem parecendo estressadas.

ruas decoradas

Esperamos a chuva diminuir e fomos andar melhor pelo bairro, há varias lojinhas de roupas, meias, produtos de beleza, artesanato tudo com preço melhor que nos outros bairros que fomos.

James Cheese & Back Ribs

Resolvemos ir para outro restaurante, onde vendia a famosa costelinha de porco com queijo. A culinária coreana é muito interessante!

O garçom traz os ingredientes, o fogão de mesa e prepara a comida ali, na sua frente. O prato eram costelas de porco assadas, queijo, ovos, creme de milho, kimichi (repolho ou outra verdura fermentados) e nós ganhamos luvas para segurar a costelinha. Muito gosto! Foi suficiente para duas pessoas e custou 10 mil won.

Charme!

A chuva passou, andamos um pouco mais por Hongdae e voltamos para casa.

Aquela passadinha para comprar o básico nas lojinhas de conveniência, compramos o onigiri e o famoso leitinho de banana, compramos também o de morango.  Onigiri é feito de arroz para sushi e recheado com diversos tipos de carnes e legumes embalado em alga, o nosso era de carne de porco porque era o único sem pimenta.

Nessa viagem o google maps foi nosso aliado na maior parte do tempo. Pena que algumas vezes (aconteceu de novo) ele não estar atualizado.

Aconteceu com você? Se tiver alguma dica para evitar perder tempo com essas informações me conta aqui!

Até a próxima publicação!